Ceumar e Moysés Marques fecham último dia de Ópera da Serra da Capivara

    O último dia da Ópera da Serra da Capivara encerrou com dois grandes nomes da música: Ceumar, reconhecida pela crítica especializada como uma cantora de beleza sem excessos de voz e Moysés Marques, um sambista mineiro de Juiz de Fora, criado na Vila da Penha no Rio de Janeiro, conhecido por  tocar em bares na Lapa, coração boêmio.

    Mais uma vez o público assistiu aos rituais indígenas do grupo krahô, em que elementos ancestrais se conectam com a força da natureza e fazem surgir o amor sobre a beleza  da vitória régia, surgindo desse amor, ao som das vozes da tribo, um indiozinho. Ao nascer a criança foi oferecida pelo pajé à Lua, que bela e apaixonada chora de tristeza por nunca encontrar o seu grande amor, o Sol. Quando ele chega, ela tem que ir embora. Na escuridão, os animais saem das tocas e ninhos, povoam a mata para observar as estrelas e a magia do imenso arco-íris. São os donos da noite.  Na aldeia, grandes rituais celebraram a chegada do menino: os índios pintam os corpos, cantam, dançam, usam os mais belos cocares, uma explosão de cores em formatos delirantes. Essa história foi contada aos espectadores através de luzes, vozes e cores que num mix energizante encantou à todos que foram assistir ao espetáculo da Ópera da Serra da Capivara.

    Depois do ato Krahô, o público pôde apreciar a linda voz da cantora Ceumar, que apresentou um repertório reunindo canções marcadas pela dinâmica entre som e silêncio, delicadezas e movimentos sutis, com uma sonoridade ao mesmo tempo lírica e popular. “Pra mim é um sonho conhecer este local e ter recebido o convite para se apresentar na segunda edição desse evento, um sonho duplamente realizado”, disse a cantora.

    ” A Ceumar é um arraso, é reconhecida pela crítica especializada como uma cantora de beleza sem excessos de voz. A Ceumar apresenta ao público um lado pouco conhecido: o de compositora. Além de ser uma excelente cantora, ela faz algo extraordinário: uma releitura jazzística de seus maiores clássicos. Sem dúvida alguma ela conseguiu transmitir a essência da sua voz e a sua boa energia para os espectadores”, disse Sádia Castro, coordenadora do evento.

    Dono de uma voz calorosa, Moysés Marques contagiou à todos cantando um bom samba e como não poderia ser diferente, fez o público levantar da arquibancada e ir sambar no palco. “É a primeira vez que venho aqui e acredito que o melhor da música brasileira se reuniu em São Raimundo Nonato e o público compareceu, mesmo sendo longe, por que sente carência de música de qualidade”.

    A Ópera da Serrda da Capivara é um evento da Prefeitura de São Raimundo Nonato patrocinado pela Caixa Econômica Federal, com o apoio da Prefeitura Municipal de Coronel José Dias, ICMbio e Fundação Museu do Homem Americano (Fundham).

    Deixe sua opnião