Candidata do PSTU diz que Uespi tem quase 600 disciplinas sem professores

A professora Luciane Santos (PSTU), que disputa o cargo de governadora do Piauí, disse que a Educação no Estado está sucateada. Em entrevista ao Notícia da Manhã, desta segunda-feira (10), ela citou a situação da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) que estaria com quase 600 disciplinas sem professores.

“A Uespi está sucateada e só resiste por conta da luta dos professores, dos estudantes e técnicos. A Uespi passa por um processo de desmonte. São quase 600 disciplinas sem professores, não sei quantos cursos à beira de fechar, não tem um restaurante universitário e os alunos precisam de alimentar de manga durante o dia todo para poder conseguir ficar na universidade. É um descaso total”, disse Luciane Santos.

A professora defendeu investimentos com a aplicação de 30% da verba estadual na Educação Pública.

“O que vemos é um sucateamento de escolas que não têm material pedagógico, não tem laboratório, é um local enfadonho para os alunos, os professores são desvalorizados. Nós do PSTU defendemos nacionalmente que 10% do PIB seja aplicado na Educação Pública e aqui no Estado a gente faz a exigência da aplicabilidade do que está na Constituição Estadual que é 30% da verba estadual para a Educação Pública e não uma PPP porque o que existem são recursos públicos sendo injetados nas empresas privadas”, disse a candidata.

A candidata criticou fortemente as (PPPs) parcerias público-privadas e disse que é ilusão a imagem de que o Piauí é um estado pobre.

“Se vende uma ilusão de que o Piauí é pobre e isso tem colado muito bem. O Governo sucateia os serviçoes públicos pra justificar a privatização. O Estado está imerso em uma dívida pública criada pelo Governo […] essa dívida do Estado já está em R$ 4, 3 bilhões e até o fim do ano há uma previsão de que aumente para R$ 5 bilhões e é uma dívida que todo ano se paga R$ 500 milhões. Mas esse dinheiro vai para onde? é preciso parar o pagamento dessa dívida e depois fazer uma auditoria”, disse a candidata que defendeu uma “rebelião” dos trabalhadores.

Luciane Santos defendeu ainda investimentos nas bases sociais para resolver o problema da Segurança Pública.

“A questão da Segurança é estrutural e precisa ser resolvida a partir das bases sociais porque tentam colocar a violência como um problema pontual e que precisa ser resolvido emergencialmente. Se um pai e uma mãe de família têm acesso a um emprego com salário digno, certamente, a situação da violência nas periferias muda. Se o jovem tem acesso a uma escola de tempo integral e de qualidade, certamente, ele estará livre da vulnerabilidade […] defendemoos uma mudança estrutural na sociedade”, disse a candidata do PSTU.

Graciane Sousa

Deixe sua opnião