Piauí é ‘top-10’ entre os estados com maior número de incidência de raios no Brasil

Com densidade de descargas elétricas de 7,7 km²/ano, Piauí ocupa a nona colocação entre os Estados brasileiros. Teresina supera a média estadual com 9,0 km²/ano

Um novo levantamento realizado pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) usou uma nova metodologia, mais precisa, para saber quais municípios e Estados são mais atingidos por raios. O Piauí entra na 9ª colocação entre os Estados.

O ranking, divulgado pela Folha de São Paulo, mostra que Tocantins é o Estado brasileiro com maior densidade de raios –isto é, mais eventos por área, com o total de 19,8 raios por km² ao ano.

Na sequência aparecem Amazonas e Acre (15,8 raios/km²/ano), Maranhão (13,3), Pará (12,4), Rondônia (11,4), Mato Grosso do Sul (11,1), Roraima (7,9) e o Piauí (7,7). São Paulo vem em seguida, com 5,2 raios/km²/ano.

A cidade mais atingida por Raios no país é Santa Maria das Barreiras, no Pará, com 44,3 raios/km²/ano. Em Teresina, a densidade de descargas é de 9,0 por km²/ano. Quando o assunto é morte, quem vai pior são habitantes de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, onde há a média de 0,84 de mortes por ano por causa dos raios.

Os novos equipamentos da rede BrasilDAT e uma nova metodologia de análise “permitirão em cinco anos o mapeamento da incidência de descargas no país com uma resolução entre 2 e 3 km. Poderemos saber em quais bairros de uma cidade ocorrem mais raios”, diz Osmar Pinto Junior, do Elat. A expectativa é que a nova rede detecte 99% dos raios no país.

A explicação de por que alguns lugares são mais atingidos ainda não é definitiva, mas o estudo detectou que boa parte das cidades que sofrem com raios na região Norte ficam próximas de rios, indicando que a umidade pode ser um fator importante. Outros que parecem envolvidos são os fenômenos climáticos El Niño e La Niña,

Todos os anos o Brasil é atingido por quase 80 milhões de raios. Destes, 300 atingem pessoas, com letalidade de um a cada três casos.

Deixe sua opnião